Notícias   ››   Internet   ››   Negócios Digitais

Bompreço aposta em Web e software aberto

Publicado por: Editorial IT Forum 365Jornalista Publicado em 23 de Maio de 2011 às 21h55

Mesmas aplicações, mas com custos lá em baixo. Com esse lema

Reservando todo o trabalho de migração para a equipe de tecnologia interna da varejista, o processo exigiu a troca do software de programação LINCII, que gerava funções em Cobol. A tecnologia escolhida foi a Xseed - desenvolvida pela companhia homônima do Fortaleza - que fez o papel de converter 6 milhões de linhas de código para gerar programas Java. "O Java foi a arquitetura escolhida devido à sua adaptação ao número de camadas do ambiente", detalha Carlos Cesar Lima, gerente de tecnologia da Bompreço. Para o ambiente de banco de dados, o equipamento selecionado foi o IBM Risc Regata, provido de 16 chips Intel. "O equipamento foi particionado em dois servidores de 5 chips cada", explica Lima. Outras cinco máquinas IBM rodando em Linux com JVM e TomCat passaram a ser responsáveis pelas aplicações enquanto outros dois servidores Linux para Web rodam o software aberto Apache, formando assim, um ambiente de três camadas. Além do Apache, a Bompreço fez questão de colocar em prova a qualidade dos softwares abertos, incluindo o Linux, que já era utilizado nos servidores das 119 lojas da rede. "Certamente, o custo é um fator importante na hora de optar por uma tecnologia aberta", pondera o gerente. "Porém, tanto a qualidade da tecnologia como o nível de suporte oferecido pela comunidade de software aberto são tão bons quanto os proprietários." Em seis meses, todos os sistemas estavam extraídos do mainframe, que foi aposentado, e passaram a rodar na intranet da varejista. Desde o sistema Bomclube, responsável pelo gerenciamento de um cartão de multifidelização, o Hipercard, sistema integrado de crédito que tem 2 milhões de cartões distribuídos, até o Bompreço, gerenciador do sistema comercial, logístico e fiscal da varejistam, passaram a ser acessados por meio da intranet da companhia. Na opinião de Lima, a tecnologia investida deve ser pagar em seis meses, sendo que neste ano, a economia proveniente deve chegar aos R$ 5 milhões, e R$ 12 milhões no ano que vem. Além disso, os três sistemas passaram a dispor de uma interface única mais amigável, que permite a utilização dos sistemas simultaneamente, facilitando o dia-a-dia de 3 mil funcionários usuários da tecnologia Web.
Tags
Nenhuma tag cadastrada
Comente e compartilhe sua opinião com nossa comunidade!

Últimas notícias