Notícias   ››   Carreira   ››   Carreiras
Carreira

Mulheres da TI: conselhos de carreira de executivas de elite

Autor: Chris Murphy
Fonte: InformationWeek EUA Publicado em 03 de Maio de 2013 às 09h55

Equilíbrio entre vida pessoal e trabalho é mito, assumir riscos é essencial e outras lições que mulheres (e homens) devem aprender

?O risco é o elemento-chave no planejamento de qualquer carreira de sucesso?, disse a CIO do Wal-Mart, Karenann Terrell. Assim começou uma das conversas mais francas e práticas sobre conselhos de carreira que você já ouviu de uma mulher na área de TI e executivos responsáveis pelo desenvolvimento e retenção de talento. O painel foi o destaque dum evento que aconteceu em abril, organizado pelo Michigan Council for Women in Technology. Patrocinado pelas três maiores fabricantes de automóveis de Detroit (General Motors, Ford e Chrysler) e com a presença dos CIOs das três empresas. Eu fui mestre de cerimônia do evento. O painel com a CIO do Wal-Mart também incluiu a CIO da Boing, Kim Hammonds, a VP sênior da IBM, Bridget van Kralinger, a VP sênior da Cisco, Sheila Jordan, e o CIO de Michigan, David Behen. Minha colega Laurianne Mc Laughling moderou as discussões. Dado ao que esses líderes já realizaram, suas decisões de carreira não parecem muito arriscadas. Se você acaba como CIO do Wal-Mart ou Boing, suas escolhas parecem bem inteligentes em retrospecto. Mas essas líderes compartilharam histórias sobre como suas jornadas tiveram momentos de grandes dúvidas sobre as decisões mais acertadas ou, até mesmo, sobre passar dos limites. ?Aqueles momentos, em que você está sozinha no carro e pensa ?O que estou fazendo? ? ? eu tive momentos assim?, revelou Kim, da Boing. Sheila relembrou uma ocasião, nove meses depois de deixar a Disney pela Cisco, em que ela saiu de uma reunião de marketing tão estupefata com os novos jargões da indústria, que pensou ?Meu Deus, eles não falam inglês. Sobre o que eles estavam falando? Eu era tão inteligente?. Ela encorajou os 500 participantes do evento, mais da metade mulheres, a ?serem pacientes consigo mesmos? e a confiar que tudo se aprende em um novo ambiente, assim como aconteceu no emprego anterior. Bridget, que lidera o exército de consultoria da IBM, encorajou os participantes a ?irem atrás do trabalho árduo?, como aqueles com responsabilidade sobre receita e lucro e gestão de linha de frente envolvendo clientes. Enquanto as mensagens de incentivo de carreira eram direcionadas às mulheres, eu vi muito que se aplica aos homens também ? e a qualquer líder de negócio que pense em recrutar, desenvolver e manter talento tecnológico. Aqui estão destaques: O equilíbrio entre vida pessoal e profissional ?é um mito criado para nos sentirmos culpadas?, disse Sheila. Não é realista. Algum pai ou mãe de uma criança de dois anos e quatro anos se sentiu em equilíbrio no dia-a-dia, trabalhando ou não? Sheila esforça-se para integrar vida pessoal e trabalho para não ter a sensação de que seu trabalho está privando-a de sua vida pessoal. Todos os panelistas decidiram por essa integração em vez de buscarem o equilíbrio. Se um gestor ou executivo trabalha em um cargo de alta intensidade, lidando diretamente com clientes, vai haver ?semanas ou meses? em que o trabalho domina seu tempo, disse Bridget. ?Nenhum de nós vai nadar contra a corrente?, disse. Então é preciso conseguir tempo para o que é realmente importante. Flexibilidade significa que você pode não estar em casa todas as noites às 19h, mas não é problema algum deixar o trabalho no meio do dia para ver uma apresentação do seu filho na escola. Kim avalia: ?É tudo uma questão de fundir, e de se sentir em paz com o que está unido?. Não tem problema desistir do que você faz melhor. Com muita frequência, as mulheres se mantêm em cargos em que são bem sucedidas em vez de se arriscarem em cargos que não são de sua especialidade. Bridget tem treinamento em psicologia, então ela encarou esse medo quando teve de mudar de um cargo em desenvolvimento organizacional para a gestão de reengenharia de larga escala e trabalhos com consultoria de redução de custos. ?Quando você é muito boa numa coisa, é difícil desistir daquilo? disse ela. ?O que eu vejo na carreira de muitas mulheres é que elas se mantêm presas numa coisa por muito tempo para serem especialistas?. A IBM lida com essa questão levando as pessoas a assumirem cargos em áreas laterais externas à especialidade de cada um. As mulheres podem precisar de um empurrão. ?As mulheres têm redes e, com muita frequência, mentores?, disse Karenann. ?Elas precisam de patrocínio?. E ela não parou por ai, desafiando os líderes de negócio a agirem: ?Independentemente de você ser homem ou mulher, você patrocina uma mulher??. Kim, da Boing, disse que tanto para homens quanto mulheres, às vezes, é necessária uma ?promoção dupla? para que eles saiam da zona de conforto do talento para uma posição mais desafiadora, que não faz parte do plano inicial de carreira. ?Arriscamo-nos com as pessoas?, disse. Aceito os créditos pelo o que realiza. ?Existe uma estranha dinâmica de crédito que acontece com as mulheres?, disse Karenann. Mesmo quando ela pergunta diretamente às mulheres sobre suas colaborações em um projeto ou iniciativa, elas tendem a generalizar a discussão para a equipe. ?É uma sensação de coisa errada que as mulheres parecem sentir quando assumem para si o crédito, mesmo quando perguntadas diretamente?, disse ela. Tal deflexão pode levar gestores a concluir que talvez as mulheres não tenham feito mais do que apenas facilitar. Karenann sugere a seguinte tática: Peça que as pessoas preencham a lacuna: Estou muito orgulhosa de ______. A IBM tem um programa para ensinar mulheres a fazer network e a demonstrar suas capacidades, porque uma pesquisa da empresa mostrou que as mulheres são menos ativas do que os homens ao fazer isso internamente e construir sua influência. O sucesso é ?tanto uma questão de resultados de trabalho, quanto de como você é vista como colaboradora e líder?, disse Bridget. Kim desaconselha as mulheres a manterem a cabeça baixa durante um trabalho e não contarem o que elas e suas equipes realizaram. Exija a flexibilidade necessária. Ambientes flexíveis de trabalho é uma discussão quente no momento, abastecida pela decisão da CEO do Yahoo, Marissa Mayer de não permitir que seus funcionarem trabalhem de casa. Kim contou que cerca de metade da força de trabalho de TI da Boing trabalha remotamente de alguma forma e observou que as necessidades dos funcionários mudam com o passar do tempo. ?Homens e mulheres passam por diferentes fases durante a vida ? doenças, pais idosos, filhos ?, então, permitir essa flexibilidade é importante?, disse ela. ?E eles terão melhor desempenho se você estiver ao lado deles durante momentos de necessidade?. Flexibilidade vai além da opção de trabalhar de casa, disse Karenann. Se os membros de uma pequena equipe de projeto quiserem fazer seu próprio cronograma para realizar seu trabalho, os líderes e gestores terão de encontrar uma forma de permitir isso. ?Cabe a todos nós buscarmos flexibilidade, porque isso atrai talento e aumenta inovação?, disse ela. A falta de flexibilidade pode evitar que as mulheres façam aquela autopromoção mencionada acima. ?As pessoas podem acabar se segurando porque não querem trabalhar da forma como nos veem trabalhando?, disse Sheila. Se uma empresa mostrar que existem alternativas flexíveis, mais mulheres podem se forçar a crescer. Faça da mentoria uma via de mão dupla. O Wal-Mart criou ?círculos de mentoria?, em vez dos relacionamentos individuais entre mentores e mentorados. Esses grupos, que têm entre 15 e 20 mulheres, que incluem, pelo menos, um líder sênior, se reúnem uma vez por mês para discutir como é ser uma mulher na área de tecnologia. A companhia desenvolveu esses círculos porque tantos funcionários queriam acesso eficiente a mentores que o modelo particular de mentoria se tornou impraticável. Além disso, esses grupos acabaram se tornando uma forma das pessoas aprenderem umas com as outras. ?Provavelmente, é o elemento mais significativo de retenção que eu vejo entre aqueles que mantemos e aqueles que perdemos?, disse Karenann. Mas não faça da mentoria uma via de mão única, aconselhou Bridget. Se você for um funcionário júnior, se esforce para dar feedback valioso ao seu líder de negócio.
Tags
Nenhuma tag cadastrada
Comente e compartilhe sua opinião com nossa comunidade!

Últimas notícias