COMUNIDADE

Neoway projeta expansão nos EUA e já mira IPO

Com inteligência de dados, empresa brasileira quer ampliar força de vendas

Santander, Unilever, Portobello e Recovery são empresas de setores diferentes, mas que têm uma estratégia em comum. Todos esses importantes players estão utilizando tecnologia da catarinense Neoway, empresa que fornece uma plataforma baseada em big data e analytics para trazer inteligência e aumentar a força de vendas.

Em um mundo cada vez mais competitivo, companhias buscam diferenciais para otimizar suas equipes e evitar perdas. É com esse objetivo que a solução busca atuar de forma certeira na otimização do trabalho de times de vendas.

“Queremos que nossos clientes vendam mais. A Neoway é muito mais do que uma tecnologia, são negócios”, resume Jaime de Paula, presidente e fundador da Neoway (foto), durante participação no Data Driven Brasil, evento organizado pela empresa para clientes e parceiros, em Florianópolis (SC).

A Newoay surgiu em 2002 com uma tese de doutorado desenvolvida por de Paula e, em 2009, foi lançada a primeira plataforma. O primeiro projeto foi implementado na empresa de cerâmica Portobello, de Florianópolis, onde a Neoway foi fundada. Hoje o cenário de uma pequena e promissora companhia já avançou e a Neoway ostenta uma carteira de mais de 500 clientes e sedes em São Paulo (SP) e Nova York (EUA), além de Florianópolis. Os próximos passos são abertura de escritório no México e Colômbia. São cerca de 300 funcionários.

Planos e investimentos
A curva de evolução da Neoway segue acentuada. No ano passado o crescimento foi de 55% e, para esse ano, a meta é crescer mais 50%. Mesmo em meio ao avanço, a empresa faz questão de manter um foco inicial. “Queremos manter a cabeça de startup, sempre pensando de forma inovadora”, comenta de Paula.

Além de expansão física, a jornada de crescimento inclui uma nova rodada de investimentos, que contempla a entrada de três novos fundos: Breakpoint, QMS e Pollux Capital. Os três se juntam à lista que, desde 2013, já contava com outros três parceiros de peso – Accel Partners, Monashees e Endeavor Catalyst.

O foco é ambicioso, assim como a ideia inicial do projeto: ser a maior empresa de inteligência de mercado do Brasil. E, agora, a companhia soma a essa meta alçar voos maiores: consolidar atuação nos EUA. Atualmente a empresa atua nos setores de finanças e bens de consumo no País, por meio de projetos piloto com a Kraft Heinz e banco JPMorgan. “No mercado brasileiro, com 10 segmentos, temos uma ordem de 8 mil empresas cadastradas. Só o segmento de finanças nos EUA são 15 mil. É um mercado muito mais amplo”, explica Jaime, que, por conta da complexidade do mercado norte-americano, vislumbra ampliar passo a passo o desenvolvimento da ferramenta nos EUA.

Seguindo o foco de crescimento nos próximos dois anos, de Paula contou ao IT Forum 365 que a intenção é fazer um IPO (na sigla em ingês, Initial Public Offer – Oferta Pública Inicial) em 2019 na bolsa de Nasdaq, com auxílio dos fundos internacionais sócios da companhia.

Plataforma
A plataforma SIMM utiliza diversas fontes públicas para reunir mais de 50 bilhões de informações sobre indivíduos, ativos, propriedades e processos jurídicos, para criar uma ferramenta de negócios eficaz para companhias. O objetivo é transformar a enorme massa de dados em informações verdadeiramente úteis para os clientes. São mais de 7 mil variáveis de inteligência e 3 mil fonte de dados.

“Essa biblioteca de dados, quando organizada, gera informação e, quando analisada, gera conhecimento. São milhões de dados e informações por dia. A proposta é desenvolver uma plataforma de big data e analytcis para gerar conhecimento. É uma sopa de letrinhas, mas cadê o dinheiro? A tecnologia veio para ajudar negócios”, afirma de Paula.

A plataforma categoriza informações por setores, para trazer dados úteis. Um exemplo, apresentado durante o evento, é uma busca por supermercados em determinada região, com mais mil funcionários. Ao adicionar esses filtros, a ferramenta automaticamente traz a lista com os parâmetros indicados. E cada empresa tem um próprio perfil, mostrando dados como faturamento, região de atuação, até mesmo como está a situação em impostos.

Microsoft
Com uma nova parceria com a Microsoft, os dados gerados pela plataforma Neoway são exportados diretamente para a nuvem Azure, que substitui a cloud da AWS. Outro recurso é a integração com aplicações Microsoft, como a ferramenta de CRM Dynamics. “A parceria com a Microsoft vai além da tecnologia e entra também em negócios. A Microsoft tem 20 mil canais e também nos ajuda nas vendas”, explica de Paula.

A aliança parece ser uma grande aposta das duas empresas. Se por um lado a Neoway se beneficia do enorme alcance dos canais e infraestrutura da Microsoft, a gigante norte-americana adiciona ao seu portfólio de parceiros uma nova oferta de big data. “Nossa missão é empoderar organizações. A plataforma por trás é Microsoft, mas quem vende o negócio é a plataforma Neoway”, diz Paula Bellizia, presidente da Microsoft no Brasil, que também participou do evento.

*O jornalista viajou a Florianópolis (SC) a convite da Neoway

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.