COMUNIDADE

Gestão e retenção do conhecimento e a inovação

O que as organizações estão fazendo para que o conhecimento não se perca ou se dissipe facilmente?

Olá Pessoal, tudo bem?

Neste e no próximo post vou aproximar a gestão do conhecimento da inovação.

Primeiramente, gostaria de manifestar minha satisfação em ter um livro publicado, justamente sobre a gestão do conhecimento. Comecei a trabalhar com este tema em 2007 nas minhas pesquisas de mestrado, e o livro é baseado na minha dissertação. A realização pessoal se completou ao ter livro na Amazon: https://goo.gl/kWcZCH

O livro trata da retenção do conhecimento organizacional no processo de desenvolvimento de sistemas, mais precisamente a preocupação recorrente nas empresas com relação a perda do conhecimento dos colaboradores. Imagine alguém que esteja ligado a uma empresa e, inesperadamente, rompe o contato. Quão valioso pode ser este conhecimento? Não dá para mensurar. E o que a empresa fez para que o conhecimento desta pessoa não se perca ou se dissipe? Multiplique isto pelo número de pessoas que já passaram por uma determinada organização.

A criação do conhecimento organizacional é uma interação contínua e dinâmica entre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito, já afirmavam Nonaka e Takeuchi, em 1997, em uma das obras mais importantes desta área. Na espiral do conhecimento destes autores (metodologia que o livro aborda), o conhecimento tácito (que está na mente) é transformado para o explícito (qualquer forma persistida do conhecimento), ou vice-versa. Bem, não existe como fechar o ciclo sem a disseminação e uso conhecimento. Então, chega o momento das lições aprendidas, do aprendizado, durante a retenção do conhecimento.

Explicando melhor esta interação, ela é moldada pelas mudanças entre diferentes modos de conversão do conhecimento, que são a socialização (tácito-tácito), a externalização (tácito-explícito), a combinação (explícito-explícito) e internalização (explícito-tácito). Dentre estes os quatro modos de conversão, a externalização é a chave para a criação do conhecimento, pois elabora conceitos novos e explícitos a partir do conhecimento tácito. Observa-se, portanto, a possibilidade de retenção do conhecimento na externalização, quando o conhecimento tácito é articulado em conceitos explícitos, expressos em forma de metáforas, analogias, conceitos, hipóteses ou modelos, utilizando, inclusive, ferramentas de Tecnologia da Informação (TI) para o armazenamento do conhecimento retido e posterior disseminação.

Especificamente sobre a retenção, pode-se dizer que o conhecimento tem aspectos distintos, podendo ser do indivíduo, do grupo, da organização ou da rede que interage entre organizações. Também pode se dispersar e se perder facilmente:

  • Trabalhadores de um projeto não têm conhecimento do desenvolvimento de projetos similares, com problemas e soluções intercambiáveis, o que provoca um trabalho redundante;
  • Um grupo de trabalhadores é eficiente em determinados conhecimentos. Outros trabalhadores da organização poderiam aproveitar estes conhecimentos;
  • Negociações malsucedidas da organização, se não forem retidas, não trarão aprendizados e experiências para futuros negócios;
  • Todas as tentativas e erros, bem como os testes, falhas e correções, dos projetos que são finalizados nas organizações, não são documentados ou retidos;
  • Funcionários deixam as organizações. Seus conhecimentos e experiências não foram transmitidos, tampouco retidos;

Então, iniciativas, estratégias e projetos de retenção de conhecimento vão auxiliar as organizações a transformarem o conhecimento em vantagens competitivas por meio da gestão do conhecimento. Já conseguimos vislumbrar a aproximação da gestão do conhecimento com a gestão da inovação, pois a evolução das ferramentas de tecnologia da informação adequadas para a retenção e disseminação do conhecimento são as ferramentas de colaboração e cooperação, em especial os wikis.

Bem, o livro não trata da aproximação da gestão do conhecimento com a inovação, mas vamos tratar disto no próximo post

Um abraço,

Zaidan

Fonte:

ZAIDAN, Fernando Hadad. Retenção do conhecimento no processo de desenvolvimento de sistemas: avaliação em três empresas do setor. Alemanha: Novas Publicações Acadêmicas, 2017.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.