Home >

Como identificar e tratar a síndrome de ‘burnout’

A síndrome afeta a saúde do colaborador e pode representar uma perda de capital humano para qualquer organização

Romanni Souza*

31/05/2019 às 10h15

Foto: Shutterstock

A síndrome de 'burnout' foi reconhecida pela Organização Mundial da Saúde como uma das doenças mentais ligadas ao trabalho e com relação direta ao desemprego e afastamento do trabalho.

O ‘burnout’ de forma simples é o esgotamento profissional, caracterizado por um estado de tensão emocional e estresse por condições de trabalho desgastantes. A síndrome acomete principalmente profissionais que se cobram de maneira excessiva e lidam com pressão e relações interpessoais de forma mais intensa no dia a dia.

A síndrome é uma sensação de esgotamento físico e emocional que pode gerar comportamentos que podem prejudicar tanto a vida profissional quanto a vida pessoal de um indivíduo. Podendo levar a faltas no trabalho, falta de apetite sexual, baixa autoestima, pessimismo, ansiedade, irritabilidade, dificuldade de concentração e até mesmo a depressão.

Como identificar, prevenir e tratar o burnout?

Provavelmente você já ouviu a história bíblica da luta entre Davi e Golias, onde Davi que era baixinho teve de enfrentar Golias um guerreiro gigante e treinado de aproximadamente três metros de altura. A questão é que se Golias tivesse sido derrotado quando bebê, ele não teria sido treinado como guerreiro ainda e teria menos de um metro de altura, e o mesmo vale para o ‘burnout’, o ideal é não esperar que a síndrome se agrave e chegue a se tornar um “gigante treinado”.

Então vamos listar algumas perguntas a se considerar que podem ajudar a identificar o 'burnout', e a seguir algumas ideias de como lidar com ele:

Você pode dar uma nota de 1 a 3 pontos para cada uma destas perguntas:

1 = não
2 = parcialmente
3 = sim

1. Se sente extremamente ocupado e pouco produtivo na rotina do dia a dia, como se tivesse mais trabalho do que é capaz de realizar se sentindo esgotado com isso?

2. Se sente pessimista e desanimado?

3. Como válvula de escape tem recorrido a medicamentos e outras drogas com frequência?

4. Se sente frustrado com a realização do seu trabalho atual, considerando seu desempenho insatisfatório?

5. Sente estar realizando tarefas incompatíveis com seus princípios e valores?

6. Você fica irritado com pequenos problemas ou com pessoas no trabalho?

7. Você se sente sem energia tanto física quanto emocional em seu dia a dia?

8. Sente ter perdido sua disposição e o seu desejo sexual?

9. Sente-se sobrecarregado e desmotivado mesmo quando não está trabalhando?

10. Tem se isolado e se afastado de amigos e familiares?

12 pontos

Parabéns, as chances são que você está em dia com sua inteligência emocional, sabe definir prioridades, delega tarefas e tem estabelecido metas de forma mais realista e sistêmica.

Entre 13 a 22 pontos

Converse mais com amigos e familiares, procure definir prioridades com mais clareza evitando levar trabalho para casa, é normal que sempre exista algum trabalho para se realizar, uma sugestão é se concentrar em cada tarefa de uma vez, e não querer fazer todas as tarefas do mês em um único dia, lembre-se que se ocupar não é produzir, e muitas vezes tirar um tempo para fazer atividades físicas, conversar com amigos, e cuidar da família, pode te fazer sentir-se mais produtivo do que ficar pensando em um monte de tarefas que devem ser feitas em momentos em que estas tarefas não serão realizadas.

Tire um dia durante a semana para planejar suas principais tarefas, não para um único dia, mas para o decorrer da semana, do mês ou mesmo do trimestre, um dos maiores fatores que levam ao estresse é querer realizar todo o trabalho do mundo de uma única vez todos os dias em um ciclo sem fim, isso acaba gerando mais estresse e sentimento de improdutividade.

Procure também planejar sempre com uma sobra de tempo, por exemplo, se tem uma tarefa que imagina levar uma hora para ser realizada, separe pelo menos entre duas horas a uma hora e meia para realização desta tarefa, isso pode ajudar a lidar com imprevistos e ter mais tempo para realizar tarefas não planejadas que podem aparecer no dia a dia. Lembre-se também de dedicar tempo para outras áreas de sua vida além do trabalho. Cuidar da vida pessoal pode refletir também na vida profissional, seja investir tempo para seu lazer, filhos, conjugue, outros familiares, cuidar da própria saúde, amigos, tempo para si mesmo durante o dia etc. Estar bem com sigo mesmo faz toda a diferença para se sentir bem no trabalho que realiza.

23 pontos ou mais

Cuide mais de você, procure conversar com um profissional da saúde, seja um psicólogo, seja um médico, procure identificar com clareza os momentos que mais se sente esgotado, e as possíveis causas deste sentimento, e quais novos comportamentos pode passar a adotar, principalmente nas situações que tem identificado como limitantes, para desenvolver estratégias mais assertivas de comportamentos a partir de então.

Este teste tem o intuito de contribuir, mas não substitui o diagnóstico e avaliação de um profissional da saúde, então se sentir estar enfrentando a síndrome de ‘burnout’ é sempre importante procurar ajuda de um profissional.

Dicas que podem ajudar na prevenção e tratamento

o Cuide de seu sono

Dormir entre 6 a 8 horas por dia podem ajudar!

o Se relacione

Somos seres sociais, e se conectar com bons amigos e familiares faz toda a diferença para o bem-estar emocional.

o Pratique meditação

A meditação ajuda a promover neogênese e é uma poderosa aliada ao combate do estresse além de trazer uma série de benefícios.

o Atividades físicas

Corpo e mente são um só sistema, ao fazer atividades físicas além de aumentar o nível de disposição, liberamos dopamina e temos uma série de outros benefícios.
o Cuide de sua alimentação

Muitas vezes ter uma dieta pobre de nutrientes, comer muito 'fast food' e comer de pressa sem prestar atenção na comida pode agravar ainda mais o estresse e o ‘burnout’, e por outro lado, cuidar da alimentação, e até mesmo tirar um tempo para comer alimentos mais saudáveis e aproveitar de forma mais despreocupada, seja o almoço, o jantar, ou mesmo o lanche da tarde, pode trazer benefícios consideráveis para o tratamento. o Invista em autoconhecimento

Participe de treinamentos e cursos relacionados a gestão de tempo, qualidade de vida, inteligência emocional, hipnose transformacional ou qualquer outro tipo de treinamento que possa promover benefícios para o seu próprio desenvolvimento. Como Benjamin Franklin já dizia: “Investir em autoconhecimento sempre rende os melhores juros.”

* Romanni Souza é professor de Hipnose e Coaching, criador da Hipnose Transformacional e fundador do Instituto Romanni. 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail