COMUNIDADE

Após dois anos em queda, 2017 pode ser retomada para mercado de TVs

Eletros projeta fechar ano com 9,5 milhões de unidades vendidas

O ano era 2014. Euforia pela Copa do Mundo no Brasil e uma profunda recessão econômica não parecia ser algo tão iminente. Esses são apenas dois motivos que impulsionaram o mercado de TVs, que, aliado aos atrativos novos modelos de aparelhos, atingiu número recorde de vendas no Brasil naquele ano: 14,9 milhões de unidades. O número seguia uma tendência de crescimento desde 2010, quando foram vendidas 12,1 milhões.

Um ano depois, fatores como desafios econômicos, aumento do desemprego e retração dos investimentos começaram a virar realidade. O resultado: em 2015 o número caiu drasticamente para 9,5 milhões e, no ano passado, o cenário foi ainda pior: 8,4 milhões. Mas 2017 pode representar um novo fôlego para este mercado.

“Vivemos um momento em que todo mundo está muito preocupado com a manutenção do emprego, mas vai melhorar daqui para frente”, disse o otimista Lourival Kiçula, presidente da Eletros (Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos), durante a Eletrolar Show, principal evento voltado ao setor de bens de consumo do país.

Kiçula espera que o mercado atinja a marca de pelo menos 9,5 milhões, com esperança de chegar a casa de 10 milhões, o que colocaria o setor de volta no patamar de 2015. No primeiro semestre deste ano, por exemplo, o avanço em relação a 2016 foi de 30%: 5,22 milhões nos seis primeiros meses de 2017 contra 4 milhões no mesmo período do ano anterior.

O bom resultado do primeiro semestre, para Kiçula, pode ser explicado por fatores como a chegada da TV digital (o sinal analógico já foi migrado para o digital em cidades como Brasília, São Paulo e Recife), além da liberação de recursos de contas do FGTS inativas, que aumentou o poder de compra dos consumidores. Agora, a esperança é nos resultados do segundo semestre, tradicionalmente melhores do que o primeiro, impulsionados pelas vendas de fim de ano.

“A televisão teve um momento fantástico em que mudou, se aperfeiçoou e começamos a ter imagens muito melhores, programas melhores etc. Agora temos tecnologias maravilhosas, mas o custo dos novos produtos com grandes novidades ainda é uma dificuldade para alavancar”, destacou.

Carlos Clur, diretor do grupo Eletrolar, cita outro motivo que tem sido essencial para as vendas de TVs: a Netflix e outros serviços de streaming on-line. “O boom da Netflix foi importante, pois o consumidor pode ter acesso direto às programações. Por ser a empresa de conteúdo que mais cresce no mundo, esse é um fator que ajuda a procura por SmarTVs”, afirmou.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.