COMUNIDADE

Brasileiros fazem campanha para mudança de segurança que evitaria furtos de iPhone

Grupo tenta chamar a atenção da Apple para não permitir que aparelho seja desligado sem estar desbloqueado pelo dono

Um grupo de brasileiros iniciou uma campanha para alertar a Apple sobre uma possível mudança que evitaria furtos de iPhones no Brasil. A modificação de segurança é bem simples: apenas impedir que celulares possam ser desligados sem que os aparelhos sejam destravados por seus próprios donos.

Com isso, a única forma de desligar seria abrindo o aparelho com uma chave pentagonal. “Após o crime isso demoraria ao menos 30 minutos em uma bancada. Tempo de sobra para que o aparelho fosse rastreado pelo sistema”, explica André Reis, que iniciou a campanha por meio da página “Mundo Apple BR” no Facebook.

A postagem já atingiu mais de 14 mil curtidas pedindo a alteração de segurança no software dos celulares que transformaria o ato de furtar um iPhone em uma verdadeira máquina de rastreamento de bandidos. “Enviei pessoalmente um e-mail para o Tim Cook (CEO da Apple), mas não fui respondido. Resolvi falar com o pessoal da Fan Page da qual faço parte como um dos moderadores para que a gente fizesse esse pedido de uma forma mais abrangente”, conta Reis.

O criador da campanha pede que a Apple entenda a condição específica do Brasil. “É algo simples. Os aparelhos furtados são comercializados no mercado negro em um esquema semelhante ao desmanche de carros roubados. O celular especificamente não pode ser mais usado, mas suas peças podem servir como insumo para consertar outros aparelhos”, completa.

Segundo levantamento da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, foram registrados mais de 865 mil furtos de celular no último ano. A expectativa dos moderadores do Mundo Apple BR é que a possível atualização diminua pela metade os números considerados alarmantes.

Comentários

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.