COMUNIDADE

Black Friday mostra espaço para salto das carteiras digitais no Brasil

Estudo aponta que modalidade já responde por 40% das intenções de compra on-line dos brasileiros

A Black Friday está ganhando espaço no Brasil, especialmente no universo on-line. E com ela não só a oportunidade de gerar mais vendas para o varejo por preços mais atraentes (em muitos casos). O horizonte que se abre é para o crescimento do uso de carteiras digitais em solo nacional.

É o que mostra pesquisa do Instituto QualiBest realizada a pedido da PayPal. O Instituto QualiBest entrevistou, de forma 100% virtual, 1.413 consumidores em todo o Brasil, de todas as classes sociais, nas primeiras duas semanas de novembro e identificou importantes tendências para a data, como aumento dos gastos neste ano apontado por 49% dos respondentes.

O que chamou atenção, no entanto, é o aumento do uso de carteiras digitais para as compras e ainda a possibilidade de crescimento dessa modalidade em solo nacional. Segundo estudo, a maioria dos consumidores estudados ainda compra com cartão de crédito (71%), mas as carteiras digitais, como o PayPal, vêm ganhando terreno e já respondem por 40% das intenções de compra on-line dos brasileiros.

Entre os entrevistados, 58% deles afirmam ter alguma carteira eletrônica. Dentre os que não têm, 59% conhecem o produto, mas não sabem direito como ela funciona; 30% conhecem bem; e 11% não conhecem. Dentre os pesquisados que ainda não têm carteira digital, 59% pretendem ter alguma no futuro; 36% ainda estão hesitantes; e apenas 4% responderam que não pretendem ter carteira eletrônica.

Além disso, 16% dos entrevistados “concordam totalmente” que transações realizadas por meio de carteiras digitais são mais seguras do que via cartão de crédito; outros 31% “concordam em parte” com a afirmação; e somente 4% “discordam totalmente” da premissa. Entre os ouvidos pelo estudo, 18% “concordam totalmente” que o pagamento via carteiras eletrônicas é mais simples do que com cartões de crédito; e 30% “concordam em parte”. Apenas 5% “discordam totalmente” da afirmação.

Segundo Vasiliki Calliyeris, diretora técnica do Instituto QualiBest, há muito espaço para a modalidade saltar em solo nacional. Ela destacou que entre as classes A e B, 46% já contam com carteira digital, o que mostra as possibilidades de penetração em outras classes.

O que buscam os consumidores

O levantamento indica que no ano passado, 48% dos entrevistados pelo QualiBest disseram ter feito compras on-line na Black Friday. Cerca de 39% aproveitaram os descontos da data para comprar itens de telefonia, principalmente smartphones; outros 38% investiram em vestuário, calçados e acessórios; 34% compraram itens de papelaria e livros; 28%, itens de informática e games; outros 28%, eletroeletrônicos; e mais 28%, eletrodomésticos e eletroportáteis.

E 81% dos pesquisados garantiram que fariam compras on-line no período de Black Friday deste ano; 16% ainda não sabiam se aproveitariam as promoções; e 3% não demonstraram interesse na campanha.

Um item que chamou a atenção dos pesquisadores (e que pode ajudar a explicar os motivos pelos quais a Black Friday vem se tornando uma data destaque do calendário do varejo) é que 73% dos entrevistados garantem que costumam acompanhar o preço normal dos produtos que os interessam antes do período da Black Friday. Outros 25% dizem fazer isso “às vezes”; e apenas 2% disseram não conferir os preços antecipadamente.

Bons resultados

O crescimento do uso de carteiras digitais tem feito a PayPal decolar no Brasil. Em conversa com jornalistas nesta terça-feira (28/11), Paula Paschoal, diretora-geral da PayPal no País, contou que a companhia já ultrapassou 3 milhões de usuários ativo por aqui em 2017. No último ano, o número era de 2,6 milhões.

A executiva destacou ainda o fato de que empresa somou R$ 2,5 milhões em doações. “Quando falamos de doação para o terceiro setor, esse é um número relevante. Temos, atualmente, campanhas com quatro ONGs e fomos, neste ano, pela primeira vez, parceiros do Teleton e do Criança Esperança”, listou ela.

Paula também falou sobre o investimento da empresa em diversidade de gênero. “É interessante notar que a maioria dos cargos de liderança aqui é ocupada por mulheres”, disse, citando ao menos seis delas que participavam da conferência com jornalistas entre dois homens. “Entendemos a importância da diversidade de gênero, mas não só isso. Buscamos diversidade de formação acadêmica, idade e cultural. Assim, temos resultados mais completos”, completou.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.