COMUNIDADE

Em 2030, a TI como conhecemos acabará, prevê executivo da CA

Para Otto Berkes, vice-presidente-executivo e diretor de tecnologia da empresa norte-americana, as tecnologias atuais serão virtualmente irreconhecíveis

As mudanças tecnológicas e a velocidade com que elas acontecem têm gerado uma série de previsões para o futuro. Mas talvez a mais certeira delas é que, definitivamente, a TI nunca mais será a mesma. Na visão de Otto Berkes, vice-presidente-executivo e diretor de tecnologia da CA Technologies, em 2030, a TI como conhecemos hoje acabará ou será “virtualmente irreconhecível”. Nesse contexto, o papel do CIO também mudará, afirmou ele. Para o executivo, esse líder será mais um orquestrador, do que dono da TI.

Nesse mercado em evolução, alertou o executivo em apresentação no segundo dia do CA World, evento anual da empresa em Las Vegas (EUA), é preciso estar preparado para as novas disrupções tecnológicas, como a inteligência artificial (AI) e a internet das coisas (IoT).

Dessa forma, acredita ele, é preciso construir o futuro a partir de hoje. “A tecnologia é um ecossistema entre pessoas e máquinas. Como, então, tomar decisões olhando para dez anos a partir de agora? A partir da Moderna Fábrica de Software”, revelou.

Software sob os holofotes

O conceito de Moderna Fábrica de Software, criado pela empresa, gira em torno de que o software está no centro de todas as companhias, em todos os setores, e o negócio moderno precisa estar pronto para desenvolver, corrigir e atualizar sua plataforma de software e viabilizar a transformação digital.

Na Moderna Fábrica de Software, explicou o executivo, imperam agilidade, automação inteligente, geração de insights por meio de dados e segurança de ponta a ponta. Ayman Sayed, presidente e diretor de Produtos da CA Technologies, contou que, hoje, o portfólio da CA endereça essas questões e é composto por ferramentas e tecnologias que injetam análise e aprendizado de máquina nos investimentos tecnológicos atuais dos clientes.

“A era dos sistemas inteligentes está apenas começando. Vamos ver cada vez mais a transição de empresas digitais para empresas inteligentes. Não se trata de uma escolha o uso de AI, é mandatório. AI e automação vão ser peça central para nos ajudar a fazer mais com as capacidades que temos”, disse Berkes reforçando mais uma vez que a era da cognição está chegando e é preciso se preparar para essa mudança, definitivamente quebrando barreiras.

*A jornalista viajou a Las Vegas (EUA) a convite da CA Technologies

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.