Home > Colunas

Educação médica entra em nova era e a tecnologia desempenha papel vital

Avanços tecnológicos apoiam estudantes de medicina a se tornarem melhores médicos

David Game*

04/07/2019 às 20h13

Foto: Shutterstock

Quando pensamos em educação médica, é importante focar em seu propósito real, que não é passar em exames ou ser o primeiro da classe ou obter um A em microbiologia... O propósito da educação médica é fazer do estudante um praticante hábil, capaz de trabalhar com todos os seus colegas e outros profissionais multidisciplinares para garantir a melhora dos pacientes. Esse é o objetivo de toda a educação médica e é isso que precisamos ter em mente.

O dever da medicina em si permanece constante ao longo dos anos: a saúde e o bem-estar do paciente são de suma importância. A tecnologia fornece novas maneiras de fazer isso, mas não é um substituto para o cuidado do paciente e o mesmo acontece com a educação médica. Agora há avanços tecnológicos que apoiam os estudantes de medicina a se tornarem melhores médicos.

Enquanto o propósito é o mesmo, a prática da medicina está mudando: o que os futuros médicos farão, e quais habilidades eles precisarão, serão muito diferentes do que eles fazem e precisam atualmente. Em linhas gerais, essas habilidades e necessidades podem ser descritas por intermédio de três temas-chave na medicina:

• Os pacientes estão mudando: estão envelhecendo e têm múltiplas doenças e preocupações sobrepostas.
• Os pacientes estão se tornando participantes ativos no cuidado: não são mais objetos de prática médica e sim parceiros no processo ao lado da equipe médica.
• Há novas disciplinas que nunca fizeram parte do esforço médico: pense em big data, biologia de sistemas ou genômica…

O surgimento dessas novas áreas adicionais à da saúde coloca mais pressão sobre os alunos de hoje, que serão obrigados a entender e se adaptar como médicos de amanhã. Para amadurecer, terão que se comportar de maneira diferente das usadas por seus antecessores. As novas tecnologias precisam permitir que o papel de um médico evolua de acordo com essas pressões variáveis. Isso pode significar a mudança de um especialista em um assunto para alguém que possa resolver problemas não apenas usando o conhecimento de sua área, mas também aplicando as mais recentes evidências e insumos de equipes multidisciplinares.

Como desafio de ser um médico do futuro evolui, o mesmo deveria acontecer com a educação médica. Fundamentalmente, o propósito da educação médica ainda é criar grandes médicos, mas nosso novo papel é identificar os avanços tecnológicos que criarão melhorias substanciais, mensuráveis e significativas na educação que os estudantes de medicina precisam obter para se beneficiarem e se tornarem melhores médicos

*David Game é diretor de gerenciamento de produtos da Elsevier

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail