Home > Notícias

Em 2020, cerca de um quarto dos ataques a empresas envolve IoT

Tissiane Vicentin

26/04/2016 às 9h59

Em 2020
Foto:

Gastos globais com segurança para internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) chegarão a US$ 348 milhões, de acordo com estimativas do Gartner - aumento de 23,7% em comparação com 2015, quando os gastos foram de US$ 281,5 milhões. Para 2018, a estimativa é de que os gastos cheguem a US$ 547 milhões.
Até 2020, a expectativa é de que cerca de 25% dos ataques a empresas tenham a IoT como foco. Também é nesse mesmo ano que o Gartner acredita que mercado também terá habilidades melhoradas, mudança organizacional e opções de serviço mais escaláveis que irão melhorar a execução.
Para Ruggero Contu, diretor de pesquisa do Gartner, o mercado de produtos de segurança para IoT atualmente é pequeno, mas está crescendo gradualmente, à medida que consumidores e empresas estão adotando a tecnologia. "O Gartner prevê que 6,4 bilhões de coisas conectadas estarão em uso em todo o mundo em 2016, um aumento de 30% a partir de 2015, e esse número chegará a 11,4 bilhões até 2018", observa o especialista. "No entanto, existe uma variação considerável entre diferentes setores da indústria, resultado de diferentes níveis de prioridade e sensibilização para segurança."
O mercado para produtos de segurança depende diretamente da adoção por consumidores e setores da indústria. Os gastos com endpoint serão dominados por carros conectados, bem como outras máquinas complexas e veículos, como caminhões pesados e aviões comerciais, além de equipamentos agrícolas.
Ataques corporativos
O Gartner prevê que, até 2020, mais de 25% dos ataques a empresas irão envolver internet das coisas, embora IoT represente menos de 10% dos orçamentos de segurança de TI. 
Fornecedores de segurança serão desafiados a oferecer recursos utilizáveis ??de segurança para IoT por conta dos orçamentos limitados nesse sentido e pela abordagem descentralizada para implementações iniciais da IoT nas organizações. Vendedores irão concentrar seus esforços em identificar vulnerabilidades e exploits, em vez de segmentar e outros segmentos no longo prazo.
Para Contu, a expectativa é de que o esforço em segurança para IoT deverá focar mais em gerenciamento, analytics e provisionamento de dispositivos e seus respectivos dados.
"Cenários de negócios da IoT exigirão mecanismos de entrega, que também podem crescer e manter o ritmo com os requisitos de monitoramento, detecção, controle de acesso e outras necessidades de segurança", afirma, completando que o futuro dos serviços de segurança baseados em nuvem está em parte relacionado ao futuro da internet das coisas. "De fato, a força fundamental da IoT em escala e presença não será totalmente alcançada sem serviços de segurança baseados em nuvem para fornecer um nível aceitável de operação para muitas organizações de uma forma rentável.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail