COMUNIDADE

Educação corporativa evolui com a indústria 4.0

O valor do conhecimento de um profissional está migrando para a habilidade de lidar com fluxos de aprendizagem e a ‘desaprendizagem’ do que não serve mais

As perspectivas advindas com a chamada indústria 4.0, revolução impulsionada pelo avanço das tecnologias de comunicação e informação, e também pela fusão entre o mundo real e a realidade virtual, evocam reflexões sobre o futuro do trabalho. Em duas décadas, 47% dos empregos atuais serão automatizados.

Mas se, mais do que nunca, trabalho e conhecimento são interconectados, como será o processo de aprendizagem que habilitará os trabalhadores para esse novo mundo? Gian Zelada, sócio da Clever Corp, desenvolvedora de soluções personalizadas de EAD para empresas, discutiu essa e outras questões acerca da educação corporativa durante painel no IT Forum Expo 2017, na terça-feira (7/11).

“Se antes o ativo era o conhecimento que um profissional tinha, agora seu valor está migrando para a habilidade de lidar com fluxos de aprendizagem e a ‘desaprendizagem’ do que não serve mais”, afirmou o executivo. Segundo ele, essa mudança é resultante da proliferação das redes de comunicação e a disseminação massiva de informação pela internet.

Como a educação corporativa trata-se de articular coerentemente as competências individuais e organizacionais no contexto mais amplo de uma empresa, logo, suas práticas estão intrinsecamente relacionadas ao processo de inovação nas organizações e também ao aumento da competitividade de seus produtos ou serviços.

Tendências do aprendizado

Ainda de acordo com Zelada, as principais tendências na educação corporativa na era da indústria 4.0 incluem o aprendizado contínuo e informal, conteúdos em tempo real, plataformas adaptativas. E, assim como no design thinking, o aprendizado está baseado na empatia, colaboração e experimentação.

“Os meios tradicionais de treinamento não deixarão de existir, mas surgirão novos dispositivos para coleta de dados que serão voltados ao aprendizado”, reiterou Zelada, acrescentando que a relação experiência e aprendizado está cada vez mais estreita.

A título de conhecimento, um estudo realizado no ano passado pela Deloitte em parceria com o Grupo DMRH, sobre o cenário da educação corporativa no Brasil, mostra que, apesar da crise financeira afetar investimentos em educação no curto prazo, é crescente a intenção das empresas em priorizar essa prática nos próximos anos. O relatório mostra que desde 2014, houve um aumento de 42% na quantidade de companhias com equipes adeptas a essa prática e alta de 14% em empresas que possuem universidades corporativas.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.