Home > Notícias

Foco em mobilidade transforma indústria automobilística

Empresas têm de deixar de querer vender mais carros

Redação

11/12/2018 às 9h55

Foto:

Os desafios enfrentados pelos Original Equipment Manufacturer [(OEMs) Fabricante Original de Equipamento, em português] devido ao seu tamanho e estrutura muitas vezes inibem a agilidade comercial necessária para fornecer valor duradouro ao cliente em uma era de ruptura digital. O foco sempre foi mais distorcido em relação à experiência do produto e às características, sendo a grandeza definida pelo “número de carros”.

Segundo Lorenzo Introna, analista da Forrester, a mobilidade como motor de mudança existe há mais de dez anos, mas o aumento da competitividade de players não tradicionais criou novos desafios para os OEMs e forçou-os a repensar seu papel. Como produzir mais ideias orientadas a serviços, como esquemas de compartilhamento de carros, parcerias com serviços de passeio e uma colaboração mais próxima com planejadores urbanos.

Apesar dessas mudanças, o foco ainda está no “número de carros”. A recente fusão da Mercedes-Benz car2go e da BMW DriveNow destaca a necessidade de aumentar o tamanho da frota para competir com os não tradicionais.

Durante o Quociente de Mobilidade 2018 Innovation Summit foi muito falado sobre carros autônomos, ofertas de serviços mais inteligentes em torno de carros e melhor trabalho em conjunto com planejadores urbanos, de alguma forma, geriam as expectativas de mobilidade do futuro. Considerando que o formato físico da mobilidade permanece incontestado - ainda parece um carro - o futuro parece seguro para o OEM.

Dr. Dieter Zetsche, presidente do conselho de administração da Daimler AG e chefe da Mercedes-Benz Cars, teria dito o seguinte após a fusão da car2go e BMW DriveNow: “Como pioneiros na engenharia automotiva, não deixaremos a tarefa de moldar a mobilidade urbana futura para os outros. Haverá mais pessoas do que nunca sem um carro que ainda queira ser extremamente móvel”.

O desejo dos OEMs de definir os termos do que a mobilidade será pode fazer sentido para os negócios, mas a mobilidade é mais do que apenas o carro. Mobilidade é sobre conveniência e empoderamento, e é algo a ser usado em vez de possuído. Tornar a mobilidade conveniente dependerá de quão bem as empresas trabalham juntas e gerenciam e compartilham dados dentro dos ecossistemas de mobilidade.

Em fevereiro de 2018, 15 empresas de tecnologia (BlaBlaCar, Citymapper, Didi, Keolis, LimeBike, Mobike, Motate, Ofo, Ola, Scoot Networks, Transit, Uber, Via e Zipcar) assinaram os “Princípios de Mobilidade Compartilhada para Cidades Habitáveis”. Alguns dos objetivos do documento são colocar as pessoas à frente da tecnologia, trabalhar em conjunto, avançar para emissões zero e compartilhar dados. É uma coincidência que não existam marcas automotivas nesta lista? Parece que os pioneiros não estão sozinhos.

Os dados e a capacidade de gerenciar e compartilhar dados serão os diferenciais no futuro da mobilidade, e o gerenciamento dos dados desde a primeira milha até a última fornecerá insight e poder incríveis. Esse recurso será o desafio mais importante do OEM a ser superado e também desafiará a posição e a influência em um setor que provavelmente não será mais chamado de indústria automotiva, mas assumirá o termo "setor de mobilidade".

Para permanecer relevante, um OEM deve aprender a compartilhar e participar de forma mais proativa, em vez de adiar sua resposta automática a novos desafios construindo muros para se proteger. Tentar se defender só isolará o OEM do setor de mobilidade, seus dados e clientes. Para um OEM, as três áreas a seguir são cruciais.

Posse de carro

Sustentabilidade, mercantilização da mobilidade, hiperadopção e aumento da oferta de mobilidade estão mudando a percepção e a necessidade da posse de carros. Mais soluções estão conectando pessoas a redes de mobilidade que tornam o deslocamento delas mais produtivo. O relatório da Deloitte sobre o futuro da mobilidade estima que até o ano de 2030, até 66% das vendas de veículos novos em áreas urbanas serão compartilhadas.

O OEM ainda pode construir carros, mas a redução na propriedade tem um impacto enorme em sua rede de distribuição: as concessionárias de automóveis. As concessionárias devem ser transformadas para serem menos dependentes do OEM e mais conectadas ao ecossistema de mobilidade por meio de plataformas que permitem a troca de dados usando APIs e microsserviços. Dado o estado atual das capacidades de tecnologia nas concessionárias, poucas sobreviverão se nada for feito.

O impacto para o OEM é a perda de dados. Não ter mais propriedade significa que não há mais dados e nem mais gerenciamento de um relacionamento com o cliente na vida útil da propriedade. Os serviços de compartilhamento de carros OEM têm relacionamentos mais curtos e maiores desafios para manter a lealdade, e os silos de dados dos serviços de compartilhamento de carros continuam a frustrar os clientes. A consolidação de dados e o gerenciamento mais fácil da mobilidade devem ser uma prioridade.

Paisagem móvel e digital

A transformação de dispositivos móveis e digitais está causando uma mudança no gerenciamento de experiências com os clientes. A possibilidade de isolar as experiências da marca está mudando porque os dispositivos digitais, sejam eles telefones celulares, consoles, eletrônicos domésticos ou carros, se tornam mais inteligentes e podem orquestrar o conteúdo de maneira mais inteligente. Os clientes também esperam experiências perfeitas entre canais e dispositivos.

Um OEM deve transformar a maneira como o conteúdo é produzido e gerenciado para poder se comunicar em um ambiente de orquestração inteligente de dispositivos. Ele também precisa disponibilizar conteúdo por meio de plataformas e APIs de ecossistema. A autodefinição das regras para entrega de conteúdo desaparece e a relevância depende da capacidade de gerenciar o conteúdo de maneira mais ágil e dinâmica.

Ecossistemas do cliente

As transformações digitais, juntamente com as escolhas dos clientes e o acesso aos serviços, redefinem a forma como os consumidores resolvem os trabalhos que precisam ser feitos para atender às suas necessidades. Os clientes não confiam mais nas viagens lineares fornecidas pelas marcas, mas orquestram seu valor para o cliente e experimentam os ecossistemas por si mesmos.

O OEM e os revendedores precisam expandir seu conhecimento sobre as jornadas do cliente além da marca e incorporar todo o ecossistema do cliente. Entender o valor que um OEM tem nos ecossistemas permite experiências mais pessoais e identifica outras oportunidades para permanecer relevante no valor do cliente e na experiência dos ecossistemas.

Os ecossistemas são diferentes para clientes individuais, e não é possível gerenciar jornadas de ecossistemas da mesma maneira que hoje. A implicação é que um OEM precisa acessar mais dados e usar tecnologias como inteligência artificial e aprendizado de máquina para analisar e ajustar dinamicamente as mudanças nos ecossistemas do cliente.

Compartilhar é a única escolha real

A capacidade de acessar, gerenciar e compartilhar dados definirá a função de um OEM no setor de mobilidade. Os disruptores digitais que criam serviços em dados estão se tornando atores maiores em um setor de mobilidade determinado pelos dados e fornecem experiências que um OEM tradicionalmente não é capaz de fornecer.

Este é também o lugar onde a oportunidade existe. OEMs e concessionárias possuem infraestrutura que complementa as ofertas de players digitais. A combinação de infraestrutura estabelecida, troca de dados e serviços digitais dinâmicos possibilita a promessa de mobilidade futura. O compartilhamento e o trabalho conjunto terão o benefício mais significativo para os clientes e, com sorte, esse é o mesmo objetivo que os OEMs também têm.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail