Home > Notícias

Incorporadora reduz 52% dos gastos ao migrar para nuvem

Rodrigo Garcia

28/08/2014 às 7h58

Incorporadora reduz 52% dos gastos ao migrar para nuvem
Foto:

A Viver Construtora e Incorporadora, empresa com 20 anos de atuação no setor, há pouco mais de um ano, desenhou e implantou uma agenda de mudanças, que passou pela adequação da estrutura organizacional e administrativa e pela definição de novas diretrizes estratégicas. A intenção da companhia era reduzir os custos e revisar processos para aumentar a produtividade sem perder a qualidade dos serviços. 

De acordo com Mário Filho, gerente de TI da companhia, a antiga estrutura da construtora estava inteiramente baseada em contratos de “colocation”. A Viver mantinha inicialmente 13 servidores para sustentar o ERP SAP e mais 46 destes equipamentos para rodar os demais sistemas da companhia, que realizam funções que estão fora do escopo direto do SAP. Ao todo, 59 servidores eram geridos pela equipe interna de TI. Porém, com a modernização das tecnologias, o modelo passou a se tornar muito oneroso.

“Baseado no plano de reestruturação da Viver, busquei outras empresas de datacenter para colocar nossos equipamentos e infraestrutura em nuvem, visto que a empresa utilizava apenas serviços de colocation”, explica Filho. 

Segundo o executivo, o processo de modernização ocorreu de forma rápida e sem maiores problemas. A transição foi feita em duas etapas, sendo a primeira delas, a migração dos 46 servidores para o ambiente Windows, que rodam os demais sistemas da companhia. 

Após a validação no ambiente de testes,  a atualização do sistema de produção foi feita em apenas um final de semana. A segunda etapa ocorreu da mesma forma, mas migrando os 13 servidores responsáveis pelo ERP SAP. 

“Para realizar toda a migração levamos aproximadamente um mês e meio, tempo considerado recorde se levado em consideração o tamanho do processo. Ao realizá-la, pudemos constatar que existiam diversos servidores com apenas um serviço, então fizemos uma revisão nos espaços utilizados”, avalia Filho.

Vantagens

Toda a modernização, além de trazer diversas vantagens tecnológicas (acho que você pode citá-las), proporcionaram também uma redução de custo de 52%. De acordo com o executivo, a realocação dos servidores diminuiu o consumo de storage e, a partir do novo modelo de contrato, as novas necessidades são contratadas de acordo com a demanda. 

“Se eu tiver uma nova necessidade de sistemas e aplicativos, entramos em negociação e o fornecedor me oferta um novo espaço, saindo muito mais em conta do que comprar um servidor novo”, relata. 

Faz parte deste percentual o valor economizado com a redução da equipe de TI. Atualmente, a equipe conta com apenas três pessoas, que não são mais responsáveis por gerenciar toda a parte de infraestrutura, já que a manutenção faz parte do SLA firmando com a CorpFlex, empresa escolhida para os serviços de datacenter.

Além das vantagens econômicas, Filho também destaca a possibilidade de oferecer mais mobilidade aos funcionários da empresa. Para ele, a medida agilizará a tomada de decisões e a operação.

“Nós estamos com uma solução em que os nossos processos internos de vistoria, acabamento de obras e pontos de vendas sejam acessados através de smartphones e tablets. Isso evita papelada e possibilita a diluição dessa estrutura”, conclui.  

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail