COMUNIDADE

PTI: inovações além da Usina de Itaipu

Parque Tecnológico de Itaipu cumpre missão de criar polo de inovação em Foz do Iguaçu

A Itaipu Binacional é líder mundial em produção de energia limpa e renovável, tendo produzido mais de 2,4 bilhões de MWh desde o início de sua operação, em 1984. Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, fornece cerca de 17% da energia consumida no Brasil e 76% no Paraguai. Os números mostram a importância da Usina Hidrelétrica de Itaipu para a cidade de Foz do Iguaçu (PR).

Em paralelo à usina, a cidade tem uma atuação forte em turismo, setor que representa cerca de 50% do PIB da cidade. Em meio a esse cenário, a região busca crescer e se tornar referência na área de inovação, liderada pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI), parque tecnológico criado em 2003. Seu foco é promover a sinergia entre empresas, centros de pesquisa, laboratórios e instituições de ensino fazendo a conexão entre educação, pesquisa, tecnologia, inovação e negócios.

O principal questionamento que motivou a criação do PTI, segundo Claudio Issamy Osako, diretor técnico da instituição, foi como a cidade poderia se beneficiar de todos os esforços e conhecimentos gerados a partir da construção da barragem. “Havia um distanciamento muito grande entre o nível de engenharia e de conhecimento dedicado para construção da usina e o que tinha na cidade”, comenta Osako, em entrevista ao IT Forum 365, em julho. Relembre a conversa e saiba todos os detalhes sobre o histórico do PTI.

Desde sua criação, o PTI atua como braço executor de pesquisa e desenvolvimento de Itaipu e que tem uma missão clara: desenvolver a região como um todo e transformar Foz do Iguaçu em um verdadeiro polo de conhecimento.

O PTI tem funcionado como apoio de inovações à unsina, mas o foco é ir além. Um exemplo dessa estratégia é a aproximação com startups, com foco em captar empresas de qualquer área, não somente como foco no setor elétrico. Por isso, foi criada a incubadora Santos Dumont, organizada com modelo de captação de ideias, mentorias e pitches para seleção.

Atualmente, são 27 empresas incubadas no PTI. Além de quatro já instaladas em condomínio empresarial, em uma fase madura e com operações em andamento. “O segredo do parque não é só a infraestrutura física, mas a proximidade dos atores. Você vai almoçar e está sentado numa mesa com doutores, discutindo sobre projetos”, finaliza Osako.

Estrutura

O PTI conta com 460 funcionários da organização, em área de 50 mil metros quadrados, onde estão em atividade cerca de 2 mil pessoas, entre funcionários, parceiros, empresários, pesquisadores e acadêmicos. Além das entidades de pesquisa e apoio à pesquisa, o parque mantém um espaço de desenvolvimento empresarial, instalações universitárias da Unioeste e da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila). Todos os dias, passam pelo PTI cerca de 7 mil pessoas, de mais de 40 nacionalidades.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.