Home > Colunas

Longevidade no trabalho: o que fazer para garantir a empregabilidade

A probabilidade de profissionais mais maduros e experientes conseguirem um emprego é maior do que jovens

Jeffrey Abrahams

09/07/2019 às 12h25

Business photo created by yanalya - www.freepik.com
Foto: Shutterstock

Uma pesquisa do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Consultoria Legislativa do Senado Federal concluiu que a probabilidade de profissionais mais maduros e experientes conseguirem um emprego é maior do que jovens ou mesmo adultos na faixa dos 45 aos 50 anos. O mesmo levantamento apontou que a taxa de desemprego ampliada (que incorpora os chamados desalentados, que são os mais velhos que desistiram de procurar emprego por acreditar que não encontrariam um) é decrescente no País em função da idade.

Para o grupo mais jovem, de 15 a 19 anos, a taxa de desemprego é de 43% para homens e 55,1% para mulheres. Para o grupo mais velho, de 60 a 65 anos, a taxa é de 9,3% para homens e 10% para mulheres. Não deixa de ser surpreendente e curioso, uma vez que aponta em direção oposta a um dos argumentos contrários à mudança da idade mínima para aposentadoria na aguardada reforma da Previdência.

Confesso que essa conclusão me animou. Apesar de existir um grande preconceito, no ambiente de trabalho, em relação às pessoas de maior idade e dependendo do conjunto da obra. É evidente que o passar dos anos carrega desafios intrínsecos à idade. Mas se o idoso tiver a disponibilidade e a vontade de quebrar seus próprios paradigmas poderá conseguir se inserir no novo mundo que está cada vez mais digital e de mudanças aceleradas. As crenças ao longo da vida acabam se fossilizando quando tudo mudou. Se não se inserir neste novo ecossistema, infelizmente estará fora do jogo. É fundamental entender conceitualmente o mundo digital e como está impactando o mercado.

Dediquei os últimos 20 anos da minha vida profissional, dentre os mais de 50 anos de carreira, a tratar de ‘gente’, desde que sai do ambiente corporativo e passei a atuar com recrutamento e seleção de executivo, assessment e coaching. O que fazer para não ficar ultrapassado? O que fazer para garantir a empregabilidade?

A capacidade de adaptação aos novos conceitos e de se reinventar, bem como aumentar seu próprio autoconhecimento são os primeiros passos. Vale também acompanhar seminários importantes do seu setor de atuação e ter determinação e resiliência para acompanhar o mercado. Além disso, cuidar da saúde física e mental; pode parecer óbvio, mas quanto mais amadurecemos mais criamos a ilusão de sermos imunes a problemas de saúde, quando na verdade nos tornamos mais suscetíveis se não nos cuidarmos! Gerenciando este composto com bons hábitos sua máquina andará mais e mais longe.

Vamos lembrar que a população brasileira está em trajetória de envelhecimento. Segundo dados do IBGE, o número de brasileiros com mais de 65 anos alcançará 15% da população até 2034. Ao ampliar o horizonte para 2060, o percentual sobe para 25,5%, isto é, um a cada quatro brasileiros será idoso.

*Por Jeffrey Abrahams é sócio-gerente da Fesa Group, consultoria especializada em gestão de talentos e desenvolvimento organizacional.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail