Home > Colunas

Quantos conselhos são necessários em uma empresa familiar?

Especialista analisa qual é a melhor alternativa para a profissionalização da gestão nesse tipo de empresas

Thomas Lanz*

15/05/2019 às 15h20

Foto: Shutterstock

A constituição de um conselho na empresa é uma grande decisão a ser tomada pela família empresária. Representa um importante passo para o processo de profissionalização da gestão e a construção de uma importante baliza da governança corporativa da sociedade. Além disso, um conselho integrado pelos sócios pode solidificar a união dos membros da família em torno de seu maior bem patrimonial: a empresa. O conselho também pode ser o primeiro patamar de ingresso na empresa dos futuros herdeiros. Nele, os jovens vivenciarão pela primeira vez o pulsar estratégico e tático dos negócios e a discussão em torno dos desafios e problemas que se apresentam.

Também, no conselho, os jovens poderão ser observados em relação à sua personalidade, seu interesse e vocação em relação aos negócios. Muitos terão perfil para trabalhar na empresa da família e outros seguirão outros rumos profissionais, mas todos os herdeiros serão sócios no futuro e deverão acompanhar de uma ou outra forma os rumos que as atividades tomarão. Podemos concluir que a formação de um conselho pela família empresária é algo muito sensato e positivo, não importando o tamanho do negócio.

Não existe um momento exato para se formar um conselho. Ele deverá ser constituído quando os principais sócios sentirem a necessidade de dar este passo. E isto acontece em momentos diversos da fase de vida dos membros da família empresária. Por vezes os filhos já são adultos e atuam profissionalmente na empresa. Por vezes ainda são menores e assim por diante. Alguns já podem ter uma participação na sociedade e outros não. Cada caso é um caso.

Trabalhando com as famílias, surge inúmeras vezes a pergunta: devemos além do conselho formar também um conselho de família? Pessoalmente acho muito interessante que as famílias formem um grêmio para discutir apenas seus assuntos. A pauta pode ser extensa, de discussões sobre formação acadêmica, carreira profissional, evolução do patrimônio familiar, visão estratégica dos negócios, crenças e valores e assim por diante. No caso de termos empresas onde algumas famílias são sócias, cada núcleo familiar deveria ter o seu conselho. Para que os encontros aconteçam de tempos em tempos uma certa disciplina é necessário.

Algumas famílias contratam uma pessoa de fora para coordenar, acompanhar e secretariar as reuniões. A vantagem deste modelo é que assuntos de interesse da família são debatidos em seu âmbito e não nas reuniões de Conselho da empresa, onde somente assuntos empresariais deveriam ser tratados. Dependendo do nível de atribuições do conselho de família, este poderá ser gradativamente transformado no “ escritório da família “ ou 'family office' como é conhecido. Mas é claro que o escritório nunca irá substituir as reuniões entre os membros da família empresária.

Por fim, existe um caso onde apenas um conselho é suficiente. É quando todos os membros da família estão na gestão dos negócios e reuniões de diretoria e conselho se sobrepõem ou a figura de um conselheiro independente ou externo ainda não faz parte do conselho. A partir do momento em que uma pessoa de fora participa do conselho é recomendado que dois conselhos façam parte do organograma, ou seja: um conselho da empresa e um conselho da família.

*Thomas Lanz é fundador da Thomas Lanz Consultores Associados

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail