COMUNIDADE
Estrategia Blockbit

BlockBit revê estratégia e tem novas frentes em cibersegurança

Especializada em segurança cibernética, empresa burlou crise ampliando atuação e explorando oportunidades

Depois da explosão do digital, que tornou o mundo altamente conectado e móvel, os universos pessoal e corporativo sofreram ciberataques com mais intensidade e sofisticação, considerados o ônus da nova era. Não por acaso, a BlockBit, empresa global de cibersegurança, cresceu 40% no ano passado, com estimativa de triplicar o feito em 2017.

Ainda que o mercado em que atua seja promissor nesse momento, a BlockBit Brasil (e muitas empresas) deparou-se com momentos difíceis em razão das incertezas político-econômicas que assolaram o País. Mas, segundo Cleber Ribas (foto), vice-presidente de Vendas da BlockBit Brasil, a empresa aproveitou para rever estratégias e cavar oportunidades.

De acordo com o executivo, a grande virada foi apostar na rede de canais. Dessa forma, pulverizaram a atuação por todo o território nacional. “E muito mais do que isso. Ao ampliarmos nossa carteira de parceiros, de apenas 12 para 133, um crescimento de mais de 1000%, demos oportunidades a pequenos integradores, que trabalham focados em pequenas e médias empresas, o que possibilitou expandirmos nossa presença também nesse nicho”, explica Ribas.

Aposta em canais

A empresa trabalhava em um modelo híbrido, com 80% da operação focada em vendas diretas e 20% por meio de canais. Hoje, essa proporção foi invertida. O que impera são as vendas realizadas por parceiros de negócios. Até o final do ano, Ribas quer totalizar 200 canais. “E nosso objetivo é tornar todas as nossas vendas exclusivamente por canais”, revela.

O empenho em buscar parceiros de variados portes motivou a empresa a criar kits de segurança, com preços competitivos e muito fáceis, diz Ribas, de serem implementados. “Dessa forma, podemos atender rapidamente e com qualidade a pequenos integradores que estão no front das PMEs”, revela.

Foi assim que no momento de turbulência econômica, a BlockBit pulverizou a atuação, conquistou novos mercados, com perfis diferenciados de clientes, e pôde oferecer cibersegurança a um nicho que precisa de proteção de qualidade a preços competitivos.

No combate a ciberataques

A grande arma da BlockBit no momento é o BlockBit VCM (Vulnerability and Compliance Management). A solução é uma plataforma de gerenciamento de ativos de TI, capaz de analisar mudanças em configurações, hardening, patches, vulnerabilidades e políticas de conformidade.
De acordo com Ribas, o BlockBit VCM vai além da simples detecção de falhas e pode controlar e monitorar SLAs para a resolução das lacunas identificadas, determinar qual técnico será encarregado de corrigir a falha e acompanhar sua resolução.

“A tecnologia mostra informações com uma visão gerencial, analisando múltiplos dispositivos, redes e suas interconexões. Dessa forma, permite aos gestores visualizar como e em que extensão sua infraestrutura carrega falhas”, explica o executivo. “Tudo isso, sem a necessidade de instalar qualquer outro software para realizar varredura, como acontece com outros produtos no mercado”, gaba-se.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.