COMUNIDADE

Ransomware: Brasil está na dianteira de sequestros digitais

Segundo Kaspersky Lab, 55% dos ataques relatados aconteceram em solo nacional

Em 2015, o ransomware, o malware sequestrador de dados, era considerado uma tendência em crescimento. Casos reais envolvendo essa ameaça, no entanto, eram muito incipientes. Dois anos depois, ele cresceu e assombra empresas e usuários vulneráveis.

Segundo levantamento da Kaspersky Lab, os ataques do ransomware na América Latina tiveram aumento anual de 30% entre 2016 e 2017, com 57.512 detecções em 2016 e 24.110 até o momento.

O Brasil lidera a lista de países com maior número de sequestro de dados, com 55% dos ataques relatados, seguido do México com 23,40% e da Colômbia com 5%. Globalmente, os países mais afetados são Turquia com 7,93%, Vietnã, 7,52% e Índia, 7,06%.

“A expansão anual do ransomware de 30%, com expectativa para 2018 de manter esse ritmo”, avalia Santiago Pontiroli, analista de segurança da equipe Global de Investigação e Análises da Kaspersky Lab.

O analista ressalta que de 2016 até o momento, metade do malware detectado na América Latina pertence à categoria de Trojans, com o Trojan-Ransom tendo o crescimento mais rápido.

De acordo com dados da Kaspersky Lab, os ataques de ransomware são direcionados principalmente ao setor de saúde, além de pequenas e médias empresas. A maioria desses ataques é por acesso remoto, aproveitando senhas fracas ou serviços incorretamente configurados.

Exemplos recentes de ransomware incluem o Petya ou PetrWrap, o HDD Cryptor e o WannaCry, que infectou mais de 200 mil computadores em todo o mundo, dos quais 98% usavam sistemas Windows 7. Na América Latina, a maior propagação de WannaCry foi no México e no Brasil, seguido de Chile, Equador e Colômbia.

No more ransom

Para ajudar vítimas da ameaça, a Europol, a Intel Security e a Kaspersky Lab lançaram em julho do ano passado a iniciativa “No More Ransom”. No site, os usuários encontram informações sobre o que é a ameaça, como funciona e como se proteger.

A iniciativa, que evitou perdas de US$ 8,5 milhões, já reúne mais de cem parceiros de órgãos da lei, setor público e privado em 14 idiomas.

Dicas rápidas

Pontiroli alerta que as vítimas da ameaça não paguem os cibercriminosos. “Uma a cada cinco vítimas paga. Das que pagam, uma em cada cinco não recupera os arquivos. Existe a possibilidade de recuperar, mas não há certeza”, alertou ele.

Segundo ele, três recomendações rápidas ajudam as pessoas a evitar o ataque. São elas:

  • Sempre realize cópias de segurança
  • Mantenha seu sistema operacional e solução antimalware atualizada
  • Filtre e-mails que parecem suspeitos, especialmente se tiverem arquivos anexado

*A jornalista viajou a Buenos Aires, na Argentina, a convite da Kaspersky

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.