Home > Notícias

Serasa lança consulta gratuita de CNPJ na internet e renegocia dívidas com credores

No novo canal verifica a existência de pendências financeiras e permite renegociar

Redação

09/05/2018 às 9h57

Conselho de administração da Oi aprova início das negociações para quitação de dívidas
Foto:

A Serasa lança nesta terça-feira (8/05) um novo serviço gratuito que permite que as empresas consultem, pela Internet, se há alguma pendência financeira registrada em seu CNPJ.

No site serasarecupera.com.br é possível checar se estão negativadas e qual o débito pendente que as levou à inadimplência (banco, indústria, comércio atacadista, financeira, prestadoras de serviços de telefonia, energia elétrica e outros), além de ocorrências de títulos protestados. Para fazer a autoconsulta, é necessário um cadastro simples e gratuito, bastando informar dados de contato pessoal e da empresa consultada.

Marcelo Leal, diretor de Pessoa Jurídica da Serasa Experian, acredita que a novidade também traz a oportunidade de renegociação com credores, com comodidade e segurança. “É mais uma facilidade que colocamos à disposição dos empreendedores para que eles tenham acesso a serviços que possibilitem, acima de tudo, a construção de uma relação mais sustentável com o crédito”, afirmou Leal.

Empresas podem negociar dívidas

A Serasa Experian segue oferecendo o Serasa Recupera PJ serasarecupera.com.br, um serviço online para as companhias renegociarem dívidas atrasadas diretamente com os credores. Os responsáveis devem se cadastrar no site e acessar a página onde estarão relacionados os credores participantes com os quais a empresa possui alguma conta em aberto, que esteja na base de dados da Serasa.

Ao clicar no nome do credor serão apresentadas as pendências financeiras e, no caso de credores participantes, também os canais de atendimento disponíveis (telefones, e-mail, chat) para a renegociação.

Desde 2017, o Serasa Recupera já mediou a quitação de débitos atrasados com cerca de 91 mil companhias inadimplentes, fazendo com que R$ 87 milhões voltassem aos credores.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail