COMUNIDADE
Nuvem: três diferentes abordagens e a certeza do futuro

Nuvem: três diferentes abordagens e a certeza do futuro

SulAmérica, Votorantim e Banco Original apostam em cloud - tecnologia com previsões otimistas de crescimento, segundo IDC

Mobilidade, internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), big data e analytics. Está cada vez mais difícil encontrar empresas que não tenham utilizado pelo menos um desses recursos nos últimos anos. São tendências e elementos cada vez mais essenciais para o avanço dos negócios, de todos os tamanhos. O que elas têm em comum? Todas demandam o mesmo recurso para cumprir seu papel: a nuvem.

A computação em nuvem é a base para abraçar todos esses elementos, que serão demandados pela transformação digital das corporações. A afirmação é de Pietro Delai, consultor da IDC. Durante evento organizado pela Tivit, Delai mostrou números que compravam a tese: todas as modalidades de cloud crescerão dois dígitos entre números de 2014 e previsões para 2018.

A nuvem privada terá avanço de 28,9%, a pública crescerá na casa dos 38,5% e o maior salto será a nuvem híbrida, com salto de 43,6%. Em IoT, por exemplo, mais de 60% das empresas no Brasil afirmam que usam ou pretendem utilizar em um futuro próximo. Big data e analytics, que representavam 300 Extrabytes de armazenamento de dados em 2013, vão gerar 1,6 Zettabytes em 2020.

Apesar da projeção positiva, a América Latina ainda está aquém do esperado: mais de 70% das empresas nessa região ainda estão iniciando a migração para a transformação digital.

Essa jornada, de acordo com Delai é um misto de cinco pilares: transformação de liderança, de omni experiência, da informação, do modelo de negócio, e da força de trabalho. “Transformação digital é sincronizar tudo isso e fazer algo disruptivo no mercado que atua. Temos exemplos disso em diversos setores, como bancos, logística, comércio e seguros. São novos negócios, novos produtos”, comentou.

Carlos Gazaffi, COO da Tivit, afirmou que, para nuvem, não existe modelo único e definido. “Cada indústria tem sua realidade e aplicação”, destacou. Como exemplo disso, três diferentes abordagens mostram como cada indústria tem suas peculiaridades e como as fases podem ser distintas. Mas um ponto é unânime: o futuro da TI e dos negócios como um todo passam pela nuvem.

Jornada avançada
A SulAmérica, grupo segurador que atua em áreas como saúde, auto, residencial e previdência, iniciou sua jornada de cloud há cinco anos, com projeto de modernização dos correios eletrônicos. “Pensavam que eu era maluco. Como você vai arriscar e ir para nuvem? À época ainda não se falava de transformação digital”, contou Christiano Barbieri, CIO da empresa.

Barbieri conta que a companhia ampliou em cem vezes a capacidade dos e-mails, o que trouxe ânimo para o início de outros projetos, como portais de internet e soluções para venda, até levar toda a plataforma de relacionamento com cliente para Salesforce. O executivo destaca que os projetos são de cinco a sete vezes mais rápidos com nuvem – desde que contem com processos dinâmicos e pessoas pensando de forma inovadora.

Para Barbieri, disponibilidade, escabilidade e segurança estão entre os pontos positivos da nuvem. “Em segurança, me preocupo muito mais com o que tenho dentro de casa do que na nuvem. A fragilidade das empresas dentro e casa é maior do que fora.” Por outro lado, alertou que empresas precisam tomar cuidado para não perderem o controle das aplicações,  o que dificulta o gerenciamento das aplicações e eleva os custos.

Futuro híbrido
A Votorantim, representada no evento por seu CIO, João Donizeti Santos, está em estágio inicial da sua jornada, que foi iniciada com a migração para o Office 365 – 25% do total de 40 mil correios e a expectativa é completar 100% até 2018, de acordo com o executivo.

A empresa conta com cerca de 1,3 mil servidores dos quais 5% estão na nuvem. “Não temos um objetivo em porcentagem. O que temos é uma estratégia de cloud-first, que toda nova aplicação é avaliada se a nuvem faz sentido ou não. E todas as atualizações também, para sabermos se faz ou não sentido migrar ambiente para nuvem”, disse.

Apesar da complexidade do ambiente da empresa, Santos afirma que a tendência é migrar cada vez mais aplicações para nuvem, desde que faça sentido. Mas, para o executivo, o mercado ainda não tem ferramentas compatíveis com algumas soluções – uma delas é o SAP da empresa, que contém grandes volumes.

Para Santos, a tendência é que o futuro das empresas como um todo seja híbrido. “Não vejo completamente de um lado ou outro – essa convivência vai sempre existir.”

Mundo digital
A terceira empresa participante da discussão tem o digital no seu DNA. Fundado em março deste ano, o Banco Original trouxe uma proposta disruptiva de ser um banco 100% digital.

O banco sincroniza dados na nuvem e se preocupa com uma questão específica: segurança. Thomaz Falcão, responsável pela infraestrutura da empresa, disse que essa é uma constante preocupação. “A governança de segurança da informação no banco digital é um escudo. Os processos precisam ser fortes, bem pensados e trabalhados. A maturidade foi alavancada antes mesmo do lançamento do banco”, afirmou.

Segundo Falcão, o banco tem dobrado o número de contas a cada dois meses, o que necessita uma arquitetura e infraestrutura para adaptar-se à dinâmica de crescimento. “É isso que caracteriza ambiente de cloud: crescer com elasticidade e adaptação”, completou.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.