Home > Notícias

Veja erros e acertos que criadores do Airbnb tiveram de enfrentar até estabelecer a empresa

Tissiane Vicentin

28/01/2016 às 17h25

Veja erros e acertos que criadores do Airbnb tiveram de enfrentar até estabelecer a empresa
Foto:

A impressão que se tem quando uma empresa conta a história é que tudo deu certo e os passos trilhados do início ao desenrolar da criação foi um misto de boas escolhas e uma pitada de sorte. “Mas nem tudo são flores”, como afirmou o diretor-geral da Airbnb para o Brasil, Leonardo Tristão. “A diferença entre o desempregado e o empreendedor é o estado de espirito.”

O executivo se apresentou na Campus Party, em São Paulo e, mais do que contar a história de sucesso da companhia, também listou cinco tropeços pelos quais os fundadores do Airbnb passaram e quais as soluções encontradas para cada um deles durante a trajetória de crescimento da empresa. 

1. Aperfeiçoar a ideia e adaptá-la ao mercado
De acordo com Tristão, a Airbnb foi lançada três vezes antes de chegar no patamar atual. A primeira foi em San Francisco (EUA), bem no início, em uma ação pontual durante um evento para designers, e quando apenas três aventureiros decidiram se hospedar no então “air bed and breakfast”. 

Na segunda vez, não houve visibilidade a ação. Já na terceira vez, o site foi lançado durante uma conferência que acontece todos os anos em Austin, Texas, conhecida hoje como SXSW. Foi nesse momento que os esforços ganharam notoriedade e quando os fundadores descobriram a importância de adaptar a ideia às necessidades do mercado. 

Anteriormente, o Airbnb funcionava somente durante grandes eventos e aceitava apenas participantes que tinham colchões infláveis - ou seja, era necessário que anfitriões comprassem tais artefatos para participar. Mas e os hóspedes que queriam camas normais? E aqueles que queriam alugar locais mesmo fora da temporada de eventos? Foi preciso garantir que a plataforma atendesse às reais necessidades, evoluísse como um produto e inovasse com o sistema de avaliação, que hoje é o core do business.

2. Network effect
Em certo ponto, era preciso trazer novos anfitriões, novos hóspedes, novos clientes. Mas não havia dinheiro para investir e a empresa já estava com US$ 30 mil de saldo devedor. Sem saber para onde ir, Brian e Joe identificaram uma grande conferência que estava para acontecer em Denver - a qual estimava-se a participação de 80 mil pessoas, mas a cidade tinha apenas 27 mil leitos de hotel disponíveis - e poderia ser uma oportunidade de ganhar visibilidade. 

Primeiro entraram em contato com grandes redes de televisão, para conseguir exposição na mídia e atrair mais pessoas, “mas ninguém deu bola”, conta Tristão. “Você está maluco? Acha mesmo que as pessoas vão querer se hospedar em casa de estranhos?” foram algumas das respostas ouvidas. O mesmo aconteceu com a mídia local. Mas foi quando entraram em contato com blogueiros que conseguiram divulgação. 

“Naquele momento, eles entenderam que inovar e ganhar espaço na mídia era algo fundamental para quando não se tem recursos financeiros, mas é preciso crescer”, observa o diretor-geral da empresa. Outro ponto aprendido com o “efeito em rede” é que mais vale conquistar cem clientes fieis do que um número maior de clientes mais ou menos. “O efeito orgânico do boca a boca é o que realmente trará novos clientes, com a lealdade dos antigos”, afirma Tristão.

>> Confira em tempo real a cobertura completa da Campus Party 2016

3. Fundo de investimentos
Como ganhar mais recurso para expandir? Uma das ideias foi fazer caixas de cereal personalizadas durante as eleições para os dois candidatos à presidência dos EUA. Conseguiram um fornecedor e mil caixas que resultaram em US$ 30 mil. Mas é possível escalabilizar o negócio com caixas personalizadas de cereal? “No final de novembro a empresa estava quebrada novamente e sem ideias. Até que alguém indicou uma aceleradora para poder ajudar. Não é apenas de boas ideias que uma empresa sobrevive, é preciso planejamento e aprender a enxergar além das duas próximas semanas

4. Desenvolvimento
Para desenvolver, o Airbnb conseguiu foco e estrutura para refinar o produto. Brian e Joe, ficaram em uma época das 8 da manhã à meia-noite aperfeiçoando o que tinham criado. Também foi preciso aprender a sair das decisões baseadas apenas na intuição e passar para as baseadas em foco direcionado por dados relevantes. Um dos passos feitos nessa etapa foi a percepção que todos os anúncios com fotos tinham melhor feedback, então todos os anúncios no site passaram a ter imagens. É preciso entender a dinâmica por trás da experiência do usuário para trazer diferencial ao produto.

5. Competição e expansão
Tristão afirma que, muitas vezes, é preciso uma concorrência feroz para te tirar da zona de conforto. No caso do Airbnb surgiu um player na Europa que reproduziu a ideia do negócio e estava despontando no mercado. Foi assim que os fundadores decidiram que era hora de ganhar o mundo e expandir internacionalmente. Por ter um produto diferenciado e uma comunidade ativa, o Airbnb conseguiu anular o competidor e crescer.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail